Claudia é destas pessoas, que levariamos um bom tempo para apresentar, por isso decidimos que ela melhor do que ninguem fará este papel. Preparem-se para absorver cada gole desta mulher… O único conselho:

Tomem cuidado para não saírem inebriados.

Quem é Claudia Canto?
  • Foto Claúdia Canto
    Foto Claúdia Canto

    Em 2002, Morte às Vassouras, sonhos, ilusões, vontade de mudar de vida, depois o que não esperava: privação da liberdade, preconceitos. 

  • Em 2004 Bem Vindo ao Mundo dos Raros, uma viagem no universo da loucura, para além do racional. 
  • Em 2006, Mulher Moderna Tem Cúmplice, um romance que sai do comum, exatamente por ser tratar de mulheres e homens de carne e osso, em cada página nos identificamos com os personagens, como se fossem a nossa própria história. 
  • Em 2008 Cidade Tiradentes de Menina a Mulher, uma abordagem lírica do maior conjunto habitacional da América Latina.
  • Em 2015 Lançamento em inglês, Morte às Vassouras, em três dos maiores centros de estudo do Reino Unido, incluindo Universidade de Oxford.

“Um livro a cada dois anos, nos intervalos arrisquei viagens inusitadas em busca de novas culturas, circulando, quebrando barreiras invisíveis dos preconceitos.
As pessoas são ótimos personagens, os botecos, os cantos escuros, um acervo de novas idéias, não e fácil fugir dos rótulos… O que une estas quatro obras: inquietação”

E pra começar com chave de ouro, ela nos disponiblizou a versão on-line do seu livro
“Bem Vindo ao Mundo dos Raros”:
“É uma coletânea de contos e crônicas de uma psiquiatria,onde trabalhei por um ano.Fragmentos de uma realidade descrita sem rodeios, sem máscaras.

Loucura, que muitas vezes está ao nosso lado, sem que consigamos enxergá-la, um mundo vivido dentro de nós mesmos, em diferentes proporções.Com eles, consegui chegar, sem alucinógenos, nas mais profundas abstrações da nossa mente.”

Por: Claudia Canto – Não teve jeito, mais uma vez a vida estava me direcionando a caminho do obscuro, daquilo que muitos preferem esconder, trancar no submundo, ou por outro lado, tratar os envolvidos como palhaços, no pior sentido da palavra.
Depois da minha última experiência, o que viria? Tinha certeza que não seria algo mais ou menos, seria sim, algo AVASSALADOR. Como a maioria dos grandes acontecimentos da minha vida, algo de profundo impacto. O que viesse, porém, não seria uma experiência solitária, não gosto de ideais solitários. No fundo sabia, que acalentaria novas vidas, novos infortúnios!
E não foi para menos, o assunto que vem à tona neste livro, é uma ferida exposta, uma chaga para muitos desconhecida …