Hoje o nosso atrevimento foi capaz de mudar o nome da Fundação Casa para Fundação Asas.
Ainda sob o efeito da energia das meninas, me pego flutuando no ar e um sorriso vitorioso se desprende do meu rosto, quando lembro daqueles olhinhos sagazes e curiosos, me observando como se eu estivesse mostrando um caminho que elas nunca pensaram que pudesse existir, um novo mundo cheio de esperanças e oportunidades…
É que, devido às crenças impostas pela sociedade, elas entendem que a vida se resume ao infortúnio. Um ciclo vicioso formado por um condicionamento tão cruel, que as levou ao confinamento.

Mas, hoje foi um dia diferente, tenho certeza que algumas voaram junto comigo, para fora do muro mental, que limita a nossa existência, uma barreira mil vezes pior do que o muro, que as esconde por um determinado período. Porque este um dia tem fim, o outro pode nos levar eternamente para uma prisão pobre, cruel e cafona e por tempo indeterminado.

Tenho certeza que uma semente da Riqueza integral foi plantada. E esta foi a minha principal vitória!
Relato:  Ezeilton Rodrigues de Santana

Diretor de Unidade
CASA CHIQUINHA GONZAGA

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO toque que cura: a massagem correta para diminuir estresse e ansiedade
Próximo artigoVilã ou Mocinha?! Diga não à confusa novela que é almoçar e jantar nos tempos modernos
Em 2002, Morte às Vassouras, sonhos, ilusões, vontade de mudar de vida, depois o que não esperava: privação da liberdade, preconceitos. Em 2004 Bem Vindo ao Mundo dos Raros, uma viagem no universo da loucura, para além do racional. Em 2006, Mulher Moderna Tem Cúmplice, um romance que sai do comum, exatamente por ser tratar de mulheres e homens de carne e osso, em cada página nos identificamos com os personagens, como se fossem a nossa própria história. Em 2008 Cidade Tiradentes de Menina a Mulher, uma abordagem lírica do maior conjunto habitacional da América Latina. Em 2015 Lançamento em inglês, Morte às Vassouras, em três dos maiores centros de estudo do Reino Unido, incluindo Universidade de Oxford Um livro a cada dois anos, nos intervalos arrisquei viagens inusitadas em busca de novas culturas, circulando, quebrando barreiras invisíveis dos preconceitos. As pessoas são ótimos personagens, os botecos, os cantos escuros, um acervo de novas idéias, não e fácil fugir dos rótulos... O que une estas quatro obras: inquietação.