Engana-se quem acredita que independência financeira é só um problema de jovens que querem ter autonomia economicamente dos pais.

Independência financeira é muito mais que isso:

  • Envolve segurança
  • Estabilidade
  • Consciência em relação ao salário mensal

“Um dos  principais vilões na hora de conquistar a independência é o gasto desnecessário. Economizar é a regra de ouro, e, quanto antes você começar, melhor. Nas compras, nas contas de casa ou com mensalidades de produtos e serviços que você não usa: é sempre possível cortar os gastos. Ter independência financeira é arcar com as despesas mensais sem perder a qualidade de vida, utilizando os rendimentos que vêm dos investimentos, de aluguéis, da poupança etc.”, orienta Rodrigo Buoro, psicanalista e professor universitário.

Segundo o especialista, o ideal é quando você corta gastos e coloca tudo na ponta do lápis, é possível ver o valor que economizou — com certeza você vai se surpreender com a quantia que conseguiu poupar.

Parece difícil, não é mesmo? Mas é muito fácil. Acontece que muita gente trabalha por anos, mas sem uma estratégica econômica eficiente, e acaba por não alcançar esse objetivo. A boa notícia é que, com a flexibilidade do mercado financeiro e as oportunidades de investimentos, tem sido cada vez mais fácil alcançar a independência financeira.

Planejamento é alma do negócio

Rodrigo Buoro alerta sobre a importância do planejamento para ter uma boa educação financeira.  ”Quer ser independente? Então precisa ter tudo muito bem planejado. É preciso tanto controlar e administrar o orçamento mensal, quanto calcular e projetar movimentações financeiras futuras. As planilhas ajudam na hora de manter as contas do mês em dia. Já na hora de planejar o futuro, uma boa estratégia é estabelecer metas e objetivos”, acrescenta ele.

O especialista também orienta para ficar longe das dívidas, um dos estágios mais difíceis de alcançar, principalmente pelos brasileiros, que têm por hábito compras a prazo e financiamentos longos. ”Para alcançar esse estágio de independência, a pessoa deve evitar dívidas. Caso as tenha, o valor dessas dívidas e dos seus parcelamentos não pode ser muito alto em relação à receita da pessoa. Sem dívidas e com um bom planejamento, é possível adquirir bens à vista, evitando juros e endividamento de longo prazo”, ressalta Rodrigo Buoro.

Manter a independência financeira exige disciplina, comprometimento e uma boa gestão dos rendimentos. O caminho é reinvestir e seguir economizando e planejando. Nunca deixe as contas de lado nem esbanje seu dinheiro. O que ganhar, reinvista. Assim, quanto mais o tempo passar, mais fontes de renda você terá e mais imune a surpresas você estará — como a inflação ou possíveis perdas de investimentos.

Se você deseja conquistar a tal independência, mas não sabe nem por onde começar, aqui está uma lista de sete segredos que fazem toda a diferença para começar:

1- Pensar na aposentadoria

Preocupe-se com a velhice para não chegar neste estágio e ter que trabalhar

2- Separar o dinheiro

É impossível ser economicamente independente sem saber poupar. Separe os gastos mensais e controle

3- Não se preocupar com o que os outros pensam

Segundo Trovó, o grande problema é que muitas pessoas não conseguem poupar devido ao consumismo.

 4- Economizar com disciplina

Ainda pensando no processo de economia, o especialista conta que é preciso ter muita persistência. Afinal, a independência financeira não virá do dia para a noite.

5- Fugir do imediatismo

Outro inimigo é o imediatismo. Mantenha consciente dos gastos ao longo da vida toda, mesmo quando já se conquistou a independência financeira.

6- Manter transparência com a família

O grande segredo de uma vida financeira saudável entre cônjuges ou em uma família é a transparência dos envolvidos com os gastos e a renda da casa.

7- Saber aonde quer chegar

Na busca pela independência econômica, vale a famosa frase que diz que, se você não sabe aonde ir, qualquer caminho serve.