Dia 21 de setembro é o Dia Mundial de Combate a Doença de Alzheimer. A doença atualmente acomete aproximadamente de 50 a 60% da população idosa mundial e é a causa mais comum de perda de memória. De acordo com a ONU, 75% dos doentes desconhecem que sofrem do mal. A família, às vezes, é a última a perceber que aquele “simples” esquecimento, no idoso, é um sintoma.

Não existe um diagnóstico definitivo, apenas um diagnóstico de exclusão. Vale lembrar que nem todo esquecimento é doença de Alzheimer e que muitas doenças podem ser confundidas com Alzheimer. É preciso excluir todas as outras doenças que causam o sintoma para poder ter a confirmação. Se a pessoa tem mais de 65 anos e tem problema de memória e esses esquecimentos comprometem a vida social é preciso investigar.

Ainda existe muita falta de informação sobre o Alzheimer. Sabe-se que a doença não é consequência do envelhecimento, do endurecimento das artérias e das veias do cérebro, da falta de oxigênio do cérebro, do estresse, de trauma psicológico, depressão, retardo mental ou preguiça mental.

A doença manifesta-se através de uma demência progressiva, que aumenta sua gravidade com o tempo e os sintomas começam lentamente e se intensificam ao longo dos anos. É um conjunto de sintomas que provoca alterações do funcionamento cognitivo (memória, linguagem, planejamento e habilidades visuais-espaciais) e muitas vezes também do comportamento (apatia, agitação, agressividade, delírios, entre outros), limitando, progressivamente, a pessoa nas suas atividades diárias.

O Alzheimer é dividido em três fases: inicial, moderada e avançada, e em cada uma delas os sintomas vão se intensificando até chegar a necessidade de uma supervisão contínua. O paciente não passa de um estágio direto para o outro.  Ele se encontra, por exemplo, em um estágio entre o inicial e o intermediário ou entre o intermediário e o avançado.

Um diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento. Os idosos devem começar a fazer exames com 65 anos para descobrir se é possuidor da doença ou não. O paciente deve fazer um acompanhamento anual, exames de sangue e imagem para ver se está com atrofia de cérebro ou alguma carência que possa ser revertida.

O tratamento ministrado atualmente é feito através de medicamentos e programas de atividades específicos para o paciente. É importante também que os familiares e os cuidadores saibam como lidar com o doente, recebendo orientações sobre a natureza e as evoluções do Alzheimer.

É preciso ficar atento a alguns sinais de alerta e assim que percebidos, procurar o médico. São eles: problema de memória que afete as atividades diárias; dificuldade de realizar tarefas habituais, de comunicar-se, de raciocínio, desorientação no tempo e no espaço, diminuição da capacidade de juízo e crítica, alterações frequentes de humor e de comportamento, mudanças de personalidade, perda de iniciativa de fazer as coisas e colocar coisas no lugar errado com frequência.

Algumas medidas podem ser adotadas para ajudar a preservar a saúde mental e diminuir o risco de a pessoa desenvolver a doença de Alzheimer. São elas: boa alimentação, dormir bem, não fumar e beber moderadamente, praticar exercícios físicos, ter uma atividade intelectual regular e diversificada, cuidar da saúde física em geral e ir ao médico regularmente.

Os cuidados com o paciente são essenciais para que ele tenha conforto. Sempre observar as mudanças de comportamento, ter cuidados com a higiene para evitar infecções, não entrar em conflitos e principalmente ter muita paciência e amor.

Dia 20 de setembro, às 19h, o neurologista André Lima vai ministrar uma palestra sobre a doença de Alzheimer no Rio Ville Shopping (Av. Automóvel Clube, 2.384, Vilar dos Teles).

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone (21) 2756-7886. Vagas limitadas.