Artigo por CAMILA HONORATO

Que tal abdicar do caos do mundo moderno, esquecer a correria e os excessos tecnológicos e partir em uma viagem em busca da paz interior e do autoconhecimento?

Nas fotos abaixo, você pode vislumbrar uma seleção de templos e complexos arquitetônicos na Ásia que são cheios de história, beleza e boas energias espirituais, capazes de atrair seguidores do mundo inteiro que viajam em busca de evolução espiritual:

1. Conjunto de Borobudur, Indonésia

Borobudur, o maior monumento budista do mundo

Considerado o maior monumento budista do mundo e integrante da lista dos oito sítios da Indonésia tombados como Patrimônio da Unesco, esse complexo de templos no Vale do Kedu tem 64 hectares de extensão.

Construído por volta do ano de 780 com materiais de origem vulcânica, ele possui diversas inscrições e gravuras marcadas em pedras e cujas origens ainda são uma incógnita para pesquisadores. Inicialmente erguido com o propósito de impulsionar práticas budistas, o conjunto já abrigou hábitos de religiões islâmicas durante o século 14.

2. Conjunto de Prambanam, Indonésia

(Andrea Kirkby/creative commons/Flickr)
(Andrea Kirkby/creative commons/Flickr)

Situados no centro da Ilha de Java, os templos da região destacam-se por seus curiosos projetos arquitetônicos, que medem até 47 metros de altura e possuem esculturas e relevos nas fachadas.

Tombado pela Unesco em 1991, o complexo data do ano de 856 e é separado por duas religiões: a hinduísta, que detém a Loro Jonggrang, e a budista, que marca o lado de Sewu. Seus santuários são dedicados a três deuses: Brahma (o Criador), Vishna (o Guardião) e Shiva (o Destruidor).

3. Batu Caves, Malásia

Batu Caves, Kuala Lumpur, Malásia

Imagem da divindade Murugan em Batu Caves, em Kuala Lumpur (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Essa é uma das grandes atrações acessadas a partir de Kuala Lumpur, a capital e maior cidade do país. As cavernas possuem mais de 400 milhões de anos e são o lar de importantes templos asiáticos.

Entre as atrações locais, destaca-se a estátua do deus hindu Murugan, o deus da guerra, feito com barras de aço e que mede 43 metros de altura, ultrapassando até o mesmo o Cristo Redentor (que mede 30 metros).

4. Palácio Wat Phra Kaew, Bangcoc, Tailândia

Templo Wat Phra That Doi, o mais importante de Chiang Mai, na Tailândia

(Thinkstock/Thinkstock)

Popularmente conhecida entre os turistas como Capela Real, esse grande palácio tailandês pertenceu à antiga Monarquia do país. Seu interior abriga o Templo do Buda de Esmeralda e é considerado o único templo da Tailândia que não serve de moradia a monges.

Ao seu redor, estátuas de figuras mitológicas do budismo atraem a atenção e a câmera dos turistas, visto que a parte externa é a única que permite registros por parte dos visitantes.

5. Templo Wat Arun, Bangcoc, Tailândia

Wat Arun, Bangcoc, Tailândia

O Wat Arun, junto ao rio Chao Phraya, fecha a fantástica tríade de templos do centro de Bangcoc, junto com o Wat Pho e o Wat Phrao Kheo (Thinkstock/Thinkstock)

Considerado um dos principais templos budistas da capital tailandesa, o Wat Arun transcende beleza logo de cara com o seu nome que, em tradução livre, quer dizer “Templo do Amanhecer”.

A construção de 80 metros de altura, erguida no século18, é ornamentada com mosaicos de porcelana chinesa e fica acima do Rio Phraya. O acesso até a construção é feito através de barcos – mais de 15 empresas diferentes que oferecem o serviço.

6. Templo Kiyomizu-dera, Kyoto, Japão

Templo do Céu, Pequim, China

Uma longa plataforma elevada liga o Templo de Orações para Boas Colheitas até o Altar Circular (vanbeets/iStock)

Tombado como Patrimônio Mundial da Unesco em 1998, o templo é faz parte de um conjunto de construções taoístas, marcadas como as mais importantes do país.

Erguido no ano de 1420, ele foi amplamente utilizado pelos povos de duas dinastias completamente distintas: a Ming e a Qing. Sua estrutura conta com uma sala circular com três terraços de mármore branco, intitulada como a Sala da Oração Pelas Boas Colheitas; uma sala acoplada por um caminho de pedra e ladrilhos que conduzem até o Altar Circular, formado por nove degraus; e, por fim, a Abóbada Imperial Celestial, rodeada por um muro que promove o eco dos sons internos.

11. Templo Yonghe, Pequim, China

Swayambhunath, Kathmandu, Nepal

O Nepal é o país natal de Sidartha Gautama, o Buda. Apesar da predominância do hinduísmo, elementos budistas fazem parte constante da paisagem local, como na estupa Swayambhunath, em Kathmandu.

Esse conjunto arquitetônico composto de vários templos foi danificado no terremoto que devastou o país em abril de 2015, mas o os prédios foram restaurados graças a doações e reabertos em novembro de 2016.

Popularmente conhecido como Templo do Macaco, graças à colônia desses animais que vivem em uma parte do complexo, esse templo tibetano é cercado por uma grande variedade de árvores em sua colina.

Considerado um dos lugares mais sagrados de peregrinação no país, o lugar é composto por estupas, templos e santuários e teve sua construção concluída no ano de 640. O topo da sua estrutura tem um detalhe que chama a atenção: são os “olhos de Buda”, uma pintura que indica as quatro direções. O complexo ainda inclui uma biblioteca, um museu, lojas, restaurantes e hospedarias.

13. Estupa Pha That Luang, Vientiane, Laos

Pha That Luang, Vientiane, Laos

Localizado no centro de Vientiane, essa estupa budista dourada, coberta com ouro legítimo, tem construção datada do ano de 1566. Sua arquitetura é completamente revestida de elementos típicos do Laos, remetendo ao nacionalismo inerente ao país e valorizando sua cultura e identidade.

Erguida em formato piramidal, ela possui 45 metros de altura e tem belos jardins e estátuas em seu entorno. Em seu interior, uma ampla e bem cuidada área verde conduz a pinturas e esculturas delicadas, além de belos altares.

14. Templo de Bulguksa, Gyeongju, Coreia do Sul

(muelo-media/creative commons/Flickr)
(muelo-media/creative commons/Flickr)

Erguido na antiga capital do Reino de Silla, esse templo budista foi construído por volta do ano de 735 e guarda muitos tesouros significativos para o país, tais como estátuas budistas de bronze banhadas a ouro e altares bem detalhados.

Ao longo dos séculos, o templo sofreu com a degradação do tempo e passou por reformas significativas, sendo que a mais recente procurou preservar os traços da reestruturação de 1251. Tombado como Patrimônio da Unesco desde 1995, ele é amplamente procurado pelos turistas e inclui visitas guiadas em inglês.

15. Templo de Haeinsa, Gyeongsangnam, Coreia do Sul

(Beyond Neon/creative commons/Flickr)
(Beyond Neon/creative commons/Flickr)

O atrativo principal deste lugar consiste na preciosidade que ele guarda em seu interior: a Tripitaka Koreana, a mais completa coleção de textos budistas da história da humanidade, gravadas em 80 mil blocos de madeira entre 1237 e 1249 e mantidas no edifício Janggyeong Panjeon.

Tombado como Patrimônio da Unesco desde 1995, o templo atrai a atenção dos visitantes com suas pinturas bem detalhadas, pagodes erguidos sobre blocos de pedra e lanternas. Datado do ano de 802, ele preserva a arquitetura típica dos templos do país.

16. Taj Mahal, Agra, Índia

(wideanglewandering/Wikimedia Commons)
(wideanglewandering/Wikimedia Commons)

Muito mais do que o mausoléu de Mumtaz Mahal, a esposa favorita do imperador Shah Jahan, o Taj Mahal virou uma das principais atrações da Índia e atraem não somente turistas curiosos ou viajantes em busca de uma atmosfera mais espiritualizada, mas também casais apaixonados que fazem promessas de amor eterno.

Erguido em mármore branco e cercado por jardins e espelhos d’água, a construção tem arquitetura típica da antiga Mongólia e inclui tumbas, pátios e uma mesquita. O monumento é tombado pela Unesco desde 1980.

17. Khajuraho e o Kama Sutra, Madhya Pradesh, Índia

Khajurajo e o Kama Sutra, Madhya Pradesh, Índia

(Dennis Jarvis/Wikimedia Commons)

A 620 quilômetros da capital Nova Délhi, essa pequena cidade, tombada pela Unesco desde 1986, é considerada um dos principais pontos turísticos do país graças ao seu conjunto de templos hinduístas medievais, construídos entres os anos 950 e 1050.

Outro grande destaque aqui são as esculturas eróticas do Kama Sutra que, assim como suas torres, encontram-se em perfeito estado de conservação. Uma junção impressionante de espiritualidade e erotismo como só os indianos podem propagar.

18. Cidade Medieval e Templos de Orchha, Madhya Pradesh, Índia

Cidade Medieval e Templos de Orchha, Madhya Pradesh, Índia

(Wikimedia commons/Wikimedia Commons)

As construções históricas dessa cidade indiana misturam fascínio e obscuridade através de seu conjunto arquitetônico imponente e, por vezes, até intimidador. Aqui, é possível encontrar fortes, templos e ruínas impressionantes.

Cercada por um rio, a região conta com jardins e monumentos funerários da antiga nobreza local. Castelos datados do século 17, com alguns elementos da arquitetura islâmica medieval em seus detalhes, completam as atrações da cidade, marcada por uma forte atmosfera do passado.

19. Templo Shwedagon, Yangon, Mianmar

Yangon, ou Burma, em Mianmar, na Ásia

O dourado do Shwedagon Paya fica ainda mais reluzente ao pôr do sol (Thinkstock/Thinkstock)

O Shwedagon tem muito ouro em sua arquitetura, o que só aumenta o aspecto de sua imponência. Sua construção é datada dos séculos 6 e 10 e carrega uma série de lendas fascinantes. Entre elas, a de que a iluminação do pagode deu-se pela benção do próprio Sidarta Gautama, que tocou em oito cabelos trazidos por dois irmãos comerciantes que passavam pela região e, logo em seguida, fez com que eles iluminassem a floresta na qual se encontravam.

Quem deseja visitar o complexo deve percorrer um caminho íngreme entre escadas e elevadores. Por aqui, é comum ver rituais entre os fiéis, que derramam água nas estátuas principais com o intuito de se redimirem de seus erros e renascerem mais puros na próxima vida.

20. Templo de Ananda, Bagan, Mianmar

(Jason Eppink/creative commons/Flickr)
(Jason Eppink/creative commons/Flickr)

Esse templo budista tem construção datada do ano de 1105 d.C. e é considerado um dos quatro maiores templos de Bagan. Encomendado durante o reinado do Rei Kyanzittha, da dinastia Pagan, ele é composto por diversos terraços e possui uma grande torre em formato de um guarda-chuva.

Sua arquitetura é majoritariamente composta por pedras e inclui afrescos de Buda em suas paredes internas. Além disso, é possível avistar quatro budas dispostos em posição vertical e que apontam para as quatro direções cardeais.

21. Angkor Wat, Camboja

Símbolo nacional e principal destino turístico do país, as linhas do Angkor Wat está presente na bandeira do Camboja (MasterLu/iStock)
Símbolo nacional e principal destino turístico do país, as linhas do Angkor Wat está presente na bandeira do Camboja (MasterLu/iStock)

Eis o maior e mais bem preservado complexo de templos de Angkor, tendo sido em sua história um centro de atividades hinduístas e, posteriormente, budistas – filosofia que até hoje prevalece no lugar.

Ao todo, mais de dois milhões de viajantes procuram esse templo anualmente em busca de sua beleza, distribuída em mais de 1,6 mil km². Sua decoração interna é composta por esculturas de deuses hinduístas, dentre os quais destacam-se as figuras femininas, além de portas e janelas com belos acabamentos em pedra.

22. Templo Bayon, Angkor, Camboja

Bayon stone faces

(dudva/creative commons/Flickr)

O principal templo da cidade antiga de Angkor Thom é budista e possui uma decoração rica e impressionante. Por aqui, é possível se deparar com rostos de divindades esculpidos em pedras em suas belas torres, que convidam o visitante a sentar e aproveitar a atmosfera propensa à meditação.

Ao todo, são 216 faces de Buda reveladas no complexo. Sua arquitetura barroca destoa de boa parte dos templos erguidos no país, que tinham como principal finalidade servir à fé hinduísta.

Para acessá-lo, o turista precisa passar por um dos quatro gigantescos portões de entrada, cercados por uma torre de 23 metros de altura.

23. Templo Sri Mariamman, Cingapura

Considerado como o mais antigo templo hindu do país, o Sri Mariamman foi construído sob a influência da arquitetura dravídica, composta por torres piramidais de arenito e granito.

Erguido em 1827, em uma época em que o país se encontrava largamente ocupado pelos indianos, ele tinha como objetivo principal ser inteiramente dedicado à deusa Mariamman, popularmente conhecida pelo poder de curar doenças. Estátuas e esculturas extremamente coloridas marcam a identidade do local.