Que toda mulher deve ser amada é fato, porém você já deve ter conhecido alguma que já sofreu por amar, e por amar demais.

Esse comportamento pode ser um distúrbio, muitas delas procuram ajuda em um ombro amigo, até perceber que necessita de ajuda médica.

Mulheres que amam demais, muitas vezes vê coisas onde não existem. Excesso de ciume, brigas desnecessárias com seu companheiro, tudo isso por amar demais.

Mas acontece que esse comportamento precisa de uma ajuda de um psicólogo, porque passa a ser obsessão pelo seu companheiro. O que temos que aceitar é que ninguém nasceu grudado com ninguém, e isso afasta o relacionamento, que vira perturbação.

As mulheres precisam sempre ter uma boa alto estima, e confiar nelas mesmas. É difícil? é, mas nos encontramos a felicidade e o bem estar dentro da gente, sessões de terapias são muito importante para debater sobre o assunto.

Segundo a psicóloga clínica Andrea Lorena, o amor patológico pode ser considerado um transtorno psiquiátrico. Ele é caracterizado pelo movimento exagerado de prestar atenção e cuidados ao parceiro, de modo que a pessoa passe a desvalorizar a própria vida e deixá-la em segundo plano para dedicar 100% do tempo ao outro.

A pessoa com amor patológico busca controlar as atitudes do parceiro na tentativa de que ele volte todas as suas atenções e carinhos para ela. Porém, ao perceber que não é correspondida na mesma intensidade, passa a sofrer e se sentir isolada e não amada”, descreve a profissional.

Como consequência, a pessoa obsessiva despende ainda mais esforços para conquistar a atenção e afeto plenos do parceiro, que acaba se afastando cada vez mais, gerando um círculo vicioso. “Quando este comportamento se torna intenso e repetitivo, acaba trazendo prejuízos à vida pessoal, profissional e social do indivíduo”, alerta Andrea.

E quando esse sentimento obsessivo se manifesta, o relacionamento começa a adoecer. No início, o ser amado pode se sentir muito bem com tanto amor recebido, mas ao longo do tempo, passa a se sentir sufocado, controlado, dependente, repensando a relação em um dado momento.

É importante que a pessoa possa se conhecer a ponto de saber que essa forma de amar mais lhe prejudica do que auxilia e, então, buscar ajuda psicoterapêutica.

Mas, em geral, as pessoas só buscam ajuda com o problema já instalado. Assim, na maioria das vezes, o tratamento precisa da intervenção psiquiátrica e da administração de medicamentos.

Vale ressaltar que é importante sentir saudade, é preciso ambos do relacionamento ter seu espaço, tudo que é demais se torna enjoativo.

É Importante que o casal tenha privacidade, em questão também de redes sociais.

Busque forças dentro de você mesma, apaixone-se por você todos os dias. Pois a beleza vem de dentro e transparece pra fora, os olhos brilham, a pele fica bonita.

O Amor é calmo, paciente e não deve ser um distúrbio.